Quais foram as dez pragas do Egito? Com imagens

15342

O contexto da história das dez pragas do Egito foi quando o povo de Israel estava cativo no Egito, vivendo em completa escravidão liderada pelo Rei Faraó. Neste tempo, Jacó descobre que José estava vivo e vivia no Egito. Jacó e sua família habitavam em Hebrom, mas ao saber que José estava vivo e era um alto funcionário no Egito, Jacó partiu imediatamente para lá.

O tempo passou e José faleceu e todos seus irmãos também. Segundo a Bíblia o povo Hebreu cresceu em grande quantidade e se fortaleceram no Egito. A terra de Gósen onde viviam se encheu deles e logo esse aumento chamou a atenção de Faraó.

Depois que José morreu, um novo Rei assume o poder no Egito. O novo Rei desconhecia José e não se importava com o passado do Egito. Diante disso o Rei começa a desconsiderar e a maltratá-los o povo Hebreu. O Rei ficou espantado com a quantidade do povo e a força que possuíam, pois temia que eles se unissem para destruir o Egito. Mas diante dessa iminente possibilidade o Rei não queria que o povo fosse embora pois serviam o Egito com mão-de-obra barata.

Deus então manda Moisés para libertar e conduzir o povo Hebreu à Terra Prometida. Essa libertação não foi pacífica, pois o Faraó, que governava o Egito, não queria perder os escravos Hebreus que trabalhavam sob dura escravidão. Diante disso o coração de Faraó se endurece e não permite que o povo Hebreu deixe o Egito. Sendo assim, Deus, para forçar o Rei Faraó a deixar o povo partir, manda as dez pragas do Egito.

As dez pragas do Egito foram:

  1. Água em sangue (Êx. 7:17-25)
  2. Rãs (Êx. 8:2-13)
  3. Piolhos (Êx. 8:16-19)
  4. Moscas (Êx. 8:20-32)
  5. Peste sobre bois e vacas (Êx. 9:1-7)
  6. Feridas sobre os egípcios (Êx. 9:8-12)
  7. Chuva de pedras/granizo e fogo (Êx. 9:13-35)
  8. Gafanhotos (Êx. 10:1-20)
  9. As Trevas e a Escuridão total (Êx. 10:21-29)
  10. Morte de todos os primogênitos (Êx. 11-12)

Conheça as dez pragas do Egito em imagens:

  • Primeira: As águas do Rio Nilo foram transformadas em Sangue. (Êxodo 7, 17-25)

Deus estava pronto a desafiar a resistência de Faraó com as dez pragas do Egito. Esta primeira praga era um ataque direta a um objeto egípcio de adoração a Água. Ás águas foram transformadas em sangue e matou todos os peixes, tornando-a imprópria para consumo humano. Faraó suportou a praga do Sangue por 07 dias.

dez-pragas-egito-sangue

  • Segunda: Rãs que saiam do Rio e invadiram as casas. (Êxodo 8, 2-13)

Deus manda Moisés novamente à presença de Faraó para exigir que o povo fosse autorizado a sair do Egito. Faraó recusa e Deus permite que surjam rãs do Rio e atinjam as casas, quartos, camas, fornos e amassadeiras.

dez-pragas-egito-ras

  • Terceira: A praga de Piolhos (Êxodo 8, 2-13)

Deus manda Moisés dizer a Arão para ferir o pó, que se tornaria em piolhos. Esses insetos atingiram os homens e o gado. Atacavam a pele, o nariz, os ouvidos e os olhos, causando muita irritação e até a morte. Eram tantos piolhos que não havia meio de encontrar alívio. Pela primeira vez, os magos, com sua magia, não conseguiram imitar o feito.

dez-pragas-egito-piolhos

  • Quarta: O enxame de Moscas (Êxodo 8, 20-32)

Desta vez Deus manda Moisés confrontar Faraó pela manhã cedo, quando o monarca está a caminho das águas, provavelmente para comparecer a uma cerimônia religiosa. A ordem de Deus para Faraó era: Deixe ir meu povo, Moisés avisa que se ele recusasse o pedido haveria uma praga de moscas.

dez-pragas-egito-moscas

  • Quinta: A morte do Gado (Êxodo 9, 1-7)

Deus pacientemente continuou exigindo de Faraó a libertação dos Israelitas. Deu o aviso que se o rei continuasse recusando a libertação do povo, viria outra praga. Desta vez foi o gado do Egito que se tornou alvo desta quinta praga.

dez-pragas-egito-pestes-animais

  • Sexta: A Sarna e as Úlceras (Êxodo 9, 8-12)

Na sexta praga, como na terceira, não houve repetição da exigência a Faraó e nenhum aviso foi dado. Moisés estava perante o rei, pegou cinzas do forno e as lançou no ar. As cinzas se tornaram “em tumores que se arrebentavam em úlceras nos homens e animais.

dez-pragas-egito-chagas

  • Sétima: O Pedras/Granizo e Fogo (Êxodo 9, 13-35)

Esta praga foi prefaciada pela exigência e aviso frequentemente repetidos. Embora as pragas não seguissem umas às outras com aumento de intensidade, havia um aumento global de perigo de vida. O propósito de Deus era claro: “Para que saibas que não há outro como eu em todas a terra”.

dez-pragas-egito-chuva-pedras

  • Oitava: A praga dos Gafanhotos (Êxodo 10, 1-20)

Moisés foi a Faraó e lhe deu a nova mensagem de forma clara e às pressas. “Até quando recusas humilhar-te diante de mim?”. Desta vez, Deus traria gafanhotos para a terra. Eles cobririam a face da terra e comeriam tudo que restou das outras pragas. Estes gafanhotos entravam nas casas e eram uma tremenda ameaça jamais vista no Egito.

dez-pragas-egito-gafanhotos

  • Nona: As Trevas e a Escuridão total (Êxodo 10, 21-29)

Também não houve anúncio para esta nona praga. Sob as ordens de Deus, Moisés estendeu a sua mão para o céu, e houve trevas espessas em toda a terra do Egito por três dias, eram trevas que podiam ser apalpadas.

dez-pragas-egito-trevas

  • Décima: A morte de todos os primogênitos (Êxodo 11, 12)

O rei poderia ter evitado essa catástrofe final se tivesse agido com prudência e sensatez, mas seu coração era excessivamente duro. O primogênito sempre se referia a homens, e era o orgulho e alegria dos egípcios. O filho mais velho “era a esperança, o esteio e o sustento da casa, o companheiro do pai, a alegria da mãe, o objeto de reverência do irmão e da irmã. Nesta última praga morreriam os primogênitos, desde do palácio do rei até o da choupana mais simples. O resultado dessa praga geraria um grande clamor que ressoaria em toda a terra do Egito.

morte-dez-pragas-egito-primogenitos

Conclusão

Quando Israel saiu do Egito o número aproxima de pessoas era 600.000 homens, além das mulheres e crianças. As dez pragas do Egito mostram o poder de Deus e o cuidado dEle para com seu povo. A libertação de Israel do Egito foi um acontecimento extraordinário que sempre seria lembrado por Israel.

COMPARTILHAR
Deixe seu comentário